Coronavírus: O que você precisa saber para proteger sua família

Índice

mãe e criança em uma banheiro, a mãe ajudando a criança a lavar a mão.

O coronavírus tem preocupado muito a população mundial e não é a toa que os principais jornais, revistas e sites do mundo falam constantemente sobre o assunto. Afinal, a doença é considerada uma pandemia pela OMS (Organização Mundial da Saúde),  se difundiu em diversos continentes e agora chegou de vez no Brasil.

Enquanto cientistas do mundo todo trabalham em uma vacina, que mesmo que seja produzida em tempo recorde ainda demoraria meses para chegar, resta a pergunta: o que podemos fazer? Como podemos nos prevenir e como proteger a nossa família?

Em um primeiro momento, o mais importante é entender que a situação é sim grave mas que não devemos entrar em pânico. Existem diversas medidas que podem e devem ser tomadas por todos nós para evitar que o vírus se alastre.

Além disso, a doença oferece um risco maior para idosos e pessoas que já tenham doenças respiratórias. Logo, essa fatia da população precisa de muito mais atenção e cuidados.

Ao restante de nós, cabe tomar todas as medidas preventivas para evitar que a doença se espalhe mais rapidamente.

Neste artigo, damos mais informações a respeito do Coronavírus (COVID-19). Desde o que é esse vírus, como ele é transmitido, seus principais sintomas e todas as medidas que você precisa adotar para proteger a sua família. Leia com bastante atenção e compartilhe para pessoas que necessitem dessas informações.

São informações indispensáveis para que todos saibam o que podem fazer e evitar informações falsas que só propagam o pânico entre as pessoas.

Folha de jornal escrito Coronavirus

O que é o Coronavírus?

Coronavírus é o nome de uma família de vírus com uma estrutura em formato de coroa. Essa grande família viral (COV) é conhecida desde o início dos anos 1960 e causa infecções respiratórias em seres humanos e em animais.

Para alguns vírus da família viral (COV), o vírus circula principalmente entre animais, como morcegos e roedores, que passam a infectar pessoas quando existe convivência próxima. Dessa forma, os vírus sofrem mutações aleatórias e espontâneas.

Acredita-se que o vírus passou a circular na China em dezembro do ano passado. Não se sabe ao certo se o coronavírus teve origem no consumo de animais silvestres.  

O novo Coronavírus provoca a doença que recebeu o nome temporário de  COVID-19, sigla em inglês para“coronavirus disease 2019”. O nome oficial da doença é SARS-CoV-2,  sigla para o nome em inglês “severe acute respiratory syndrome coronavirus 2” .

Esse vírus causa uma doença muito semelhante a um resfriado comum, com infecções respiratórias que podem ser de leves a moderadas.

A grande maioria das pessoas não sabe, mas são infectadas com os coronavírus comuns ao longo da vida. As crianças são as mais propensas a serem infectadas por esses vírus que já existiam e não trazem maiores complicações.

Forma de transmissão

As formas de transmissão do coronavírus ainda estão sendo investigadas. Mas acredita-se que o contágio seja pelas vias respiratórias, por contato físico ou por superfícies contaminadas.

Se sabe até o momento que a doença é transmitida das seguintes formas:

Pelo ar, através de:

  • tosse;
  • espirro;
  • fala;
  • catarro;
  • gotículas de saliva.

Por contato próximo como:

  • aperto de mão;
  • abraço;
  • beijo.

Contato com superfícies não higienizadas:

  • celular;
  • apoio de transporte público;
  • maçanetas;
  • corrimão, entre outros.

Sintomas

Os sintomas do COVID-19, doença causada pelo novo coronavírus, são bastante variados. Os sintomas, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) são tosse seca, febre (maior que 37,8°C) e cansaço.

Também é comum que os pacientes sintam dores no corpo, congestionamento nasal, inflamação na garganta ou náusea, vômito ou diarreia. Mas o vírus causa principalmente sintomas respiratórios.

Os sintomas muitas vezes são semelhantes ao de um resfriado ou gripe comum, por isso, para ficar mais claro, o Ministério da Saúde preparou um infográfico diferenciando o Coronavírus do resfriado e da gripe:

Tabela com os sintomas da Coronavírus comparativo com outras doenças
 fonte: Ministério da Saúde (Agência Brasil)

Os sintomas começam gradualmente e em sua maioria são leves. O tempo de recuperação da doença pode variar, mas costuma ser semelhante ao tempo de recuperação de um resfriado comum.

Entre os sintomas mais graves estão a dificuldade respiratória aguda e a insuficiência renal. Pessoas com outras doenças graves como pneumonia e doenças cardiovasculares podem desenvolver a versão mais crítica da COVID-19 e vir a óbito.

No entanto, a maioria das pessoas que contraiu o vírus se recupera em alguns dias ou semanas. Alguns pacientes podem não apresentar sintomas e mesmo assim estar infectados com o vírus. O Ministério da Saúde estima que pacientes mais jovens têm maiores chances de não apresentar qualquer sintoma.

Qual o período de incubação do vírus?

De acordo com a Organização Mundial Da Saúde (OMS), a estimativa é que o período de incubação seja de 1 a 14 dias. Ou seja, esse é o tempo que o vírus leva para se manifestar. É comum que os primeiros sintomas ocorram por volta de cinco dias após o contágio.

O que fazer ao sentir os sintomas?

Se a pessoa viajou recentemente para um dos países onde foi registrada a doença ou teve contato com pessoas que tenham viajado há menos de 14 dias para esses locais e tenham febre maior que 37,8ºC, tosse e dificuldade para respirar, devem procurar atendimento médico imediatamente e evitar contato com outras pessoas.

É importante também informar que já existem casos de transmissão comunitária no Brasil, ou seja, a pessoa foi infectada sem uma origem definida. Dessa forma, mesmo que você não tenha um histórico de viagem recente ou de contato com pessoas que tenham viajado, é importante procurar atendimento médico no caso indicado. 

O profissional da saúde avaliará se os sintomas indicam alguma probabilidade de infecção pelo coronavírus, coletará material para diagnóstico e iniciará o tratamento.

Como as manifestações clínicas são muito parecidas com as de um resfriado comum e ainda não existe vacina ou tratamento específico, o COVID-19 costuma ser tratado com repouso, ingestão de bastante água e remédios para aliviar os sintomas de acordo com cada caso.

Pacientes que tenham sintomas mais intensos podem ser hospitalizados.

É fundamental que o paciente que contraiu o vírus se mantenha isolado das demais pessoas, evitando assim a transmissão do coronavírus.

Mortalidade

A doença COVID-19 já contaminou mais de 200 mil pessoas no mundo todo, dentre as quais mais de 8 mil morreram. Dessa forma, a taxa de mortalidade do coronavírus no mundo é de 4,1%.

Quando comparada a outras doenças, a taxa de mortalidade da COVID-19 é menor do que a da SARS (8%), síndrome respiratória aguda grave dos anos de 2002 e 2004. Ela é parecida com a da dengue (3,8%) e quase 3.150 vezes maior do que a da gripe comum (0,13%) ou 2.050 vezes maior do que a da gripe H1N1 (0,2%).

No Brasil, o número de pessoas infectadas pelo coronavírus já passa de 530, com mais de 11 mil casos suspeitos e com 4 mortes.

Criança limpando a mão com alcoolgel.

Como você pode se prevenir e proteger seus filhos e idosos

A principal recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS), é de higienizar as mãos. É um cuidado bastante simples, mas que deve ser frequente para prevenir diversas doenças contagiosas.

As mãos devem ser lavadas com água e sabão até a metade dos pulsos e higienizadas com álcool 70% antes de encostar em lugares como olhos, nariz e boca.

Outras recomendações essenciais para evitar a transmissão e o contágio do coronavírus, são:

  • evitar multidões e evitar contato próximo com pessoas doentes;
  • evitar sair de casa caso apresente algum sinal de gripe, e caso precise sair, use máscara;
  • se viajar a locais com circulação do vírus, evite contato com pessoas doentes, animais (vivos ou mortos) e a circulação em mercados de animais e seus produtos;
  • mantenha distância de pessoas tossindo ou espirrando;
  • ao tossir, leve seu rosto ao ombro ou parte interna do cotovelo ou use lenço de papel para cobrir a boca e o nariz;
  • objetos tocados frequentemente, devem ser higienizados com álcool, principalmente em lugares públicos;
  • evite contato como abraço, aperto de mãos ou beijo no rosto;
  • higienize as mãos após tossir ou espirrar;
  • evite tocar nos olhos, nariz e boca sem antes lavar as mãos;
  • não compartilhe objetos de uso pessoal;
  • lave suas mãos frequentemente por pelo menos 20 segundos com água e sabão.

Crianças são menos propensas a contraírem o vírus. Mesmo assim, tome todos os cuidados mencionados acima com elas também. Se você tem parentes idosos em casa, o cuidado deve ser redobrado.

Além disso, é importante neste momento que se evite o contato de jovens e crianças com pessoas mais idosas, como o contato entre avós e netos. Os cuidados com os idosos tem que ser especiais. Faça mercado, ajude a minimizar o risco dessas pessoas. 

O Ministério da Saúde explica que não há nenhum medicamento, substância, vitamina, alimento específico ou vacina que possa prevenir a infecção pelo novo coronavírus.

Informações importantes

  • até o momento não há nenhuma evidência de que animais domésticos como cães e gatos tenham sido infectados ou possam espalhar o coronavírus;
  • máscaras devem ser utilizadas por quem apresenta sintomas da doença, pois previne que alguém infectado espalhe o vírus e venha a contaminar outras pessoas ou por pessoas que tenham contato com outras infectadas;
  • A maior parte das pessoas mortas pelo COVID-19 tinha mais de 60 anos ou tinha outras doenças como: diabetes, hipertensão e problemas respiratórios;
  • o risco de contaminação por produtos vindos da China é baixo pois o vírus não dura muito tempo fora de algum organismo hospedeiro.

O que podemos fazer nesse momento é manter a calma e seguir as recomendações do Ministério da Saúde. Não há motivos para pânico.

Se você teve contato com pessoas que estiveram no exterior e em países com o foco do vírus e apresentar sintomas, procure ajuda médica. Se você for diagnosticado com o vírus, siga as recomendações médicas e não entre em pânico.

Não menos importante é prestar atenção nas informações que vão sendo divulgadas pelo Ministério da Saúde. Cuidado com as “fake news”! Não espalhe notícias que não tenham vindo de fontes confiáveis.

Confira outros assuntos no Blog Famyle:

    Share on facebook
    Share on twitter
    Share on linkedin
    Share on reddit
    Share on tumblr
    Share on skype
    Share on telegram
    Share on whatsapp
    Share on email
    Crianças dando a mão

    Categorias

    Posts Recentes

    Compartilhe em suas Mídias Sociais

    Share on facebook
    Facebook
    Share on twitter
    Twitter

    Tags

    Posts Relacionados

    empresa limpeza

    Empresa de limpeza

    Se você está buscando informações de como contratar uma empresa de limpeza, esse texto pode te ajudar. Reunimos tudo que você precisa saber sobre a